sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Bulk já! Mas o que esses calorias extras podem fazer com você, mamãe?




Gentem! Socorro! Claro, recém começamos o blog, então ainda não tive tempo de contar pra vocês o resultado do exercício intenso e da dieta de cutting na amamentação e nem como driblamos esses detalhes. MAs preciso contar o que está acontecendo HOJE!

Depois de seis meses fazendo exercício e de dois meses em cutting, estou passando por um período de manutenção, elevando gradualmente as calorias da dieta pra um futuro (muito próximo) bulk (ganho de massa magra - músculos).

Eu achava que meu corpo estava adaptado e a produção de leite na medida para a demanda do bebê. E estava, claro, pois não ficava mais com as mamas cheias no trabalho e nem nos períodos em que o bebê não mama mais. Eis que já havia notado no início da semana, que ao meio dia estava com as mamas mai cheias que o habitual. Agora subi mais calorias e há dois dias consegui alcançar a meta de comer as 1800 calorias por mim estipuladas. Agora são 16:00h e meus seios estão cheios. O esquerdo está inclusive DOENDO!

O meu superávit calórico está aumentando minha produção de leite! E agora? Será que haverá calorias para a construção muscular também? Acho que minha manutenção precisará se extender por mais tempo, usarei a produção de leite como medida, rs... Ou será que passarei o bulk todo produzindo a mais?

É ou não incrível?

I make milk. And you? What´s your superpower?


Agora, se quiser saber mais sobre os efeitos do exercício físico sobre a amamentação, super recomendo este artigo que eu encontrei. Ali ele fala algo que eu já conhecia, que o bebê poderia rejeitar o leite em função da alteração do sabor causada pelo Ácido Lático. Bem, nem preciso falar que isso não ocorreu lá em casa, né? O que ocorreu é que no início, comecei fazendo muito exercício aeróbio e não compensei com a alimentação. Então tive uma queda notável na produção de leite. Notei logo e comecei a comer mais, pra compensar (que ruim, né?). Em dois ou três dias, a situação estava controlada.

CLARO QUE, quando tudo começou, meu filhote já estava com mais de seis meses, já ingeria outros alimentos e não fez falta imediata pra ele. MAs como eu não tinha interesse nenhum em interromper a amamentação precocemente (sim, pra mim, antes de dois anos é precocemente, por toda a questão da simbiose entre mãe e filho, pela questão do suporte emocional e afetivo na fase oral da criança, sem falar, claro, na questão nutricional, pois o Leite materno é um alimento riquíssimo e continua sendo uma importante fonte de nutrientes inclusive depois do primeiro ano de vida).

Depois, decidi elaborar uma dieta controlada, para otimizar meus resultados. De cara, fiz uma dieta de 1500 calorias. Dois dias e a produção caiu de novo. Subi pra 1800 e depois de 15 dias, desci pra 1700 e deixei assim. Os resultados foram ótimos. Eu emagrecendo e ele engordando e crescendo, rs... Portando, muita calma nessa hora, mamãe! Lembre-se que o corpo prioriza o bebê ou seja, tudo o que faltar, ele vai tirar de você pra fornecer pra criança em crescimento. Por isso, vá devagar, observe as reações do seu corpo e do seu filho e, caso te deixe mais segura, peça a opinião de uma nutricionista de confiança (pelo amor de deus, se ela te disser pra dar leite em pó ao invés de amamentar, CORRA PARA AS COLINAS!).



Um beijo e bons ganhos (pra vcs dois, mamãe e bebê)!

Nenhum comentário:

Postar um comentário