terça-feira, 18 de setembro de 2012

Torta de banana integral

 
Domingo chuvoso, criançada dentro de casa, bateu aquela vontade de ir pra cozinha preparar algo gostoso. A primeira idéia foi, é lóóóóóógico, uma deliciosa e açucarada nega maluca. Ok, eu estou em bulking, poderia comer uma fatia sem remorso. Mas enquanto a voz do diabinho gordinho gritava "faça nega maluca!" meu anijinho sarado sussurrava: "bah... nega maluca é um zero à esquerda, nutricionalmente, tem tanta coisa gostosa e saudável para comer". E um foco de luz recaiu sobre as bananas amarelas e madurinhas que estavam no cesto de frutas.
Lembrando de uma torta deliciosa e integral que minha mãe fazia, corri pra cozinha e me agarrei ao saco de farinha integral. Trigo integral, amaranto, quinoa, aveia em flocos, farinha de aveia, uma colherinha de manteiga sem sal (Sim! Manteiga sim! Eu passo longe de margarinas e similares, mas isso é tema pra outro post...), uvas passas, tudo medido, misturado mas faltava alguma coisa... Açúcar!!!
Lá veio o dilema novamente: mascavo, cristal, mel ou adoçante dietético? Meu espírito, em cutting eterno, pedia pelo sintético. Eu nunca fui muito fã desses adoçantes, assim como não sou da margarina, rs. Uso somente em eventualidades. Assim como o açúcar comum, o adoçante aqui em casa dura meses. Meu filho mais novo, com onze meses, certamente iria querer comer a torta. Nesse caso, nem açúcar e nem mel seriam recomendados e meu instinto materno se arrepiava em pensar nos químicos do adoçante entrando nos corpinhos dos meus filhos, hahahaha.
Acabei optando pelo mel e por um pouquinho de açúcar cristal. A torta seria assada, assim, as eventuais bactérias botulínicas que pudessem existir no mel, morreriam (além do que, compro mel de procedência). O açúcar cristal, coloquei pouquinho e o gurizinho já vai fazer um ano. Essa é uma coisa que o segundo filho trás e que é muito legal: a leveza de ser mãe, rs... não sou mais tão extremista. Não, não entupo os guris de achocolatados e petit suisses e não seria minha tortinha integral a responsável por uma futura obesidade em nenhum dos dois, é ou não é?
Enfim, eles adoraram (“Nossa, mãe! Que delícia de torta! Nunca comi uma torta assim!” hahaha… encheu meu coração de alegria, meu filho tá na fase do exageiro, rs).
O preparo é muito simples e na verdade, a receita é bem flexivel: você usa o que tiver em casa. Até só farinha branca e açúcar, ok… Pode ser com bananas bem maduras e maçãs também.
Eu usei farinha integral, farinha branca, farinha de aveia e extrato de soja nas mesmas proporções. Depois coloquei quinoa, amaranto, aveia em flocos e uvas passas claras, a gosto. Adocei com mel e açucar cristal. Fiz uma farofinha, com um quarto de xícara de óleo de canola e um pouquinho de água. O ideal é uma farofa que forme grumos úmigos, não muito esfarelenta e nem muito grudenta. Grumos do tamanho de uvas passas.
Fatie as bananas bem maduras longitudinalmente. Em uma forma untada (no meu caso, com manteiga) disponha parte da farofa. Cubra com bananas. Alterne as camadas e finalize com a farofa. Polvilhei canela e aveia e forno! quarenta minutos a 200º. Se fizer muito alta, asse em fogo mais baixo. Eu fiz com uns três dedos de altura.
Ah! Essa receita não é light, ok? É saborosa, saudável e rica em fibras e é uma ótima opção para o lanche das crianças (ou como alimento de alto índice glicêmico para o pós treino imediato). Fica grande e uma fatia pequena sacia bem!
Bom proveito!





Um comentário:

  1. Olá Lucy passei para conhecer seu blog ele é muito maneiro com excelente conteúdo gostaria de parabenizar pelo seu trabalho e desejar muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e de seus familiares
    Um grande abraço e tudo de bom

    ResponderExcluir